A CIÊNCIA DA BENZEDURA


mau olhado,
simpatias e
uma pitada
de psicanálise.

A partir de moldes antropológicos, o autor discute a prática terapêutica das benzedeiras, cujo trabalho merece uma descrição detalhada e respeitosa. Ele as aproxima das terapias com embasamento científico, afirmando que elas também realizam um trabalho eficaz com as facetas do sofrimento. É um convite à reflexão para psicanalistas, antropólogos e estudiosos da medicina popular.

SAIBA MAIS, CLIQUE AQUI


Conjunto de 4 anéis (ajustáveis) folheados a ouro, semelhantes aos utilizados pela personagem Amora (novela Sangue Bom)